Alcoolémia, “Já não há gente boa”

2022 é o ano em que os Alcoolémia celebram 30 anos de carreira. Com 8 discos já editados e perto de mil concertos dados, os Alcoolémia são, sem qualquer dúvida, uma das referências do rock cantado em português.

No dia 1 de Abril, os Alcoolémia lançaram, no mercado digital, o seu oitavo disco de originais, intitulado “Já não há gente boa”. O disco é composto por 11 temas originais, produzidos por Pedro Madeira nos RockStudio, durante estes dois anos de confinamento.

O single de avanço chama-se “Ser Humano” e conta com participação especial da cantora Lara Afonso.

“Ser Humano” fala-nos das relações interpessoais entre as pessoas e a forma como tratamos, vemos e interagimos com os outros e que tem grande importância na nossa vida quotidiana, esquecendo-nos por vezes de valores fundamentais como a tolerância, o altruísmo, a vulnerabilidade e o amor entre todos nós.

Os Alcoolémia formaram-se no Seixal em 1992. Nestes últimos 30 anos de carreira foram somando sucessos, tornando-se uma das mais emblemáticas bandas de rock português, ao lado de nomes como Xutos e Pontapés, UHF e Tara Perdida.

Foi com o tema “Não Sei Se Mereço”, que conseguiram chegar ao grande público, conquistando o galardão de Disco de Prata.

Ainda em 1996, editam o single “Para Quê Sonhar”, consolidando a sua mestria em fazer grandes canções rock, prevendo uma longa carreira, como se veio a concretizar.

O segundo disco “Não Há Tretas”, editado no ano seguinte, volta a atingir o top de vendas com o single “Fugir para quê”.

A banda edita mais 5 discos, nas décadas seguintes: Até Onde (1998); Alcoolémia (2007); Palma da Mão (2014); Alcoolémia XXV Anos (2017); e 25 Anos ao Vivo (2019).

2022 marca o regresso dos Alcoolémia aos originais com o oitavo disco “Já Não Há Gente Boa”, assinalando os 30 anos de carreira em Agosto deste corrente ano e ainda com a novidade do tão desejado regresso do seu vocalista original Jorge Miranda.