Selo de Boas Práticas de Intervenção Social distingue projetos da Amadora

Três projetos da Amadora, enquadrados no PEES – Plano Estratégico para o Envelhecimento Sustentável da Amadora, foram distinguidos com o Selo de Boas Práticas de Intervenção Social, numa cerimónia realizada a 10 de novembro, que contou com a presença da Vereadora Susana Nogueira, responsável pelo pelouro da Intervenção Social da Câmara Municipal da Amadora, e dos representantes das diversas instituições premiadas da Amadora.

O Selo de Boas Práticas de Intervenção Social, promovido pelo Instituto da Segurança Social no âmbito das Plataformas Supraconcelhias da Grande Lisboa e do Oeste, visa distinguir as metodologias e práticas inovadoras de intervenção social, promovendo o seu melhor conhecimento, partilha e divulgação. Na edição deste ano, foram recebidas cerca de 40 candidaturas, tendo sido premiados 29 projetos, após avaliação do Júri do prémio.

Através de candidatura apresentada pelo CLAS – Conselho Local de Ação Social da Amadora, foram premiados 3 projetos:
“Fórum Municipal Sénior” da Câmara Municipal da Amadora – O Fórum Municipal Sénior da Amadora é um órgão local de representação dos seniores da cidade da Amadora, com funções consultivas, de apreciação análise de problemas e de propostas de solução, informação de promoção e proteção dos seus direitos e garantir o seu bem-estar, dignidade e qualidade de vida. Este órgão, pretende ser um local onde os mais idosos têm acesso a um canal de comunicação privilegiado com a Câmara Municipal e demais instituições da Amadora.
“Sozinhos em Causa” da Santa Casa da Misericórdia da Amadora – O projeto, em contexto domiciliário e de distanciamento social pandémico, tem foco na mitigação da solidão e isolamento e no conforto, segurança e saúde mental e emocional de seniores.
“Unidade de Neuro Estimulação” da Fundação AFID – Funciona num modelo similar a um centro de dia, mas com horário alargado das 7h às 22h e aberto aos sábados. Destina-se a pessoas com demência clinicamente diagnosticada que necessitam de apoio especializado e está integrada numa ERPI, potenciando o trabalho que aí é realizado na área das demências. Surge como resposta ao tratamento e/ou retardamento da demência, dado que os tratamentos farmacológicos têm eficácia comprovada, mas não são suficientes para evitar a progressão da doença. Os tratamentos não farmacológicos promovidos na UNE, como a reabilitação e estimulação cognitiva e sensorial, têm tido resultados como promoção de competências e autonomias.

Sobre o PEES – Plano Estratégico para o Envelhecimento Sustentável
O território concelhio da Amadora tem vindo ser marcado por um envelhecimento gradual da sua população, confirmando uma tendência demográfica mais vasta a nível nacional e europeu. Prevê-se neste contexto que, pelo menos até 2025, venha também a aumentar a população com idade igual ou superior a 75 anos. Este padrão evolutivo irá refletir-se num aumento acentuado das necessidades relativas a cuidados básicos, autonomia e saúde, designadamente as que mais diretamente se relacionam com quadros demenciais.
Porém, as características sociodemográficas e sociológicas da população com mais de 65 anos irão alterar-se ao longo deste período: esperam-se pessoas mais escolarizadas, mais conscientes da necessidade de incorporar hábitos saudáveis nos seus estilos de vida, mais intervenientes nas estruturas de participação associativa e cívica e politicamente mais exigentes quanto à transparência e racionalidade das decisões relativas ao bem público.
Com base nestes pressupostos, a Câmara Municipal da Amadora tem vindo a desenvolver uma série de projetos dirigidos à população sénior, assentes no Plano Estratégico para o Envelhecimento Sustentável da Amadora que envolve diversos parceiros sociais, num total de 65 instituições da cidade. Estes mesmos parceiros assinaram o Pacto Local para o Envelhecimento Sustentável, documento que sistematizou o compromisso conjunto de construir uma cidade mais coesa e promotora da integração social.
O PEES faz parte integrante do Plano de Desenvolvimento Social e de Saúde 2017-2025.

 

Veja aqui o artigo original