Tenho o Coração Numa Caixinha

Helena Durães
Tempo de Leitura48Segundos

Tenho o meu coração numa caixinha

Apertado e dorido

Pressionado e escondido

Tenho o meu coração numa caixinha

Magoado e sentido

Sufocado e mal parido

Tenho o meu coração numa caixinha

Pequena como um grão 

Perdida no chão

Por uma vez, o meu coração saiu da caixinha

Soltou-se e engrandeceu

Voou e resplandeceu

Por uma vez, o meu coração saiu da caixinha

Viajou de forma saborosa

Entregou-se de forma vagarosa

Por uma vez, o meu coração saiu da caixinha

Sentiu e Viveu

Amou e Sofreu

O meu coração voltou à caixinha

Tinha o dobro do seu tamanho

Foi difícil o seu amanho

O meu coração voltou à caixinha

E para aí voltar a caber foi espezinhado

E ficou amarrotado

O meu coração voltou à caixinha

Pisado e dilacerado

Cortes profundos, não mais curado

O meu coração voltou à caixinha

Cansado e a chorar

De dor, a Gritar

O meu coração voltou à caixinha

Sem reparação

Sabendo que não mais haverá ilusão.

0 0
0 %
Contente
0 %
Triste
0 %
Radiante
0 %
Zangado
0 %
Surpreso
Publicação Seguinte

Há lodo no cais: Faculdade de Direito de Lisboa

Há lodo no cais: Faculdade de Direito de Lisboa E, de súbito, numa noite há demasiado tempo escura e tempestuosa, cai um coruscante relâmpago sobre a vetusta Faculdade de Direito de Lisboa (FDL). Como (apenas agora) acabou de se saber, o Professor Doutor Francisco Manuel Fonseca Aguilar – docente desde […]
%d bloggers like this: