Nazaryna Semedo – “Não Perdoa”

Luís Fernando Carvalho
Tempo de Leitura4 Minutos, 15 Segundos

Nasceu a 17 de Junho de 1981, em Angola, na província de Luanda, numa família de pais protestantes confessos, de classe média.

Começou a sua carreira musical nos anos de 1996 na sua província natal na Igreja Metodista Unida Central (Protestante). Iniciou aulas de guitarra, pois era adepta deste instrumento musical. Contudo, por aconselhamento do seu ex-professor Mateus Júnior, (que também lecionava canto), iniciou aulas de canto, uma vez que não via melhorias nas aulas de guitarra. Este seu mentor notara que Nazarina possuía um timbre vocal que lhe havia despertado a curiosidade para o canto, tendo então sugerido à cantora que frequentasse aulas de vocalizacão, a fim de trabalhar melhor a voz, o que poderia vir a dar bons resultados nesta área da arte. Na mesma altura Nazarina recebeu um convite da Academia de Música de Luanda para lá frequentar as aulas de canto, local onde se foi claramente enquadrando na arte de bem cantar. Já na Academia, enquadrou-se no grupo coral com a voz contralto. Posteriormente, foi apresentada a uma professora Cubana de nome Sorania Fong que aflorou nela os verdadeiros dotes vocais ocultos, passando daí a exercitar mais seriamente o canto que a fez subir de escalão vocal, passando de contralto a meso.

Em 1998 começou a fazer trabalhos de back-vocals juntamente com uma amiga e colega de canto, formando um duo feminino com a designação Soft Voices. Aconselhadas por amigos e principalmente por um dos seus vários professores de canto, o duo participou neste mesmo ano num concurso organizado pela Televisão Pública de Angola denominado “Gala à Sexta-feira”. A participação foi tão positiva que permitiu a passagem para a fase seguinte do mesmo.

Decorrente desta experiência musical marcante Nazarina não mais parou, pois o bichinho da música em si não a deixaria em paz. Um destino musical desenhava-se para Nazarina, porém o duo acabou por desfazer-se, já que a sua companheira abandonou o mesmo para tentar a sorte na Europa. Embora abalada, esta rapariga lutadora do signo gémeos não esmoreceu perante as dificuldades e mais uma vez não desistiu. Pôs pés ao caminho e fez a sua primeira participação na gravação do também primeiro CD do músico angolano Tchissica Artz (seu ex-colega de canto), na altura sucesso da música angolana. Daí em diante foi somar e seguir na venda das participações em cd´s.   

Mais tarde, veio a participar na gravacão do cd do músico Lito Dias, vencedor do Top Rádio Luanda do mesmo ano. As suas duas primeiras participações em trabalhos discográficos  catapultaram-na para a senda das participações musicais. Para além dos acima mencionados, trabalhou com os músicos Beto Max, Eduardo Paim, Banda Zimbo, Banda Xangola, Banda Maravilha, Banda Voga, Virgilio Fire, Simmons Massini, Banda Movimento, Bangão, Margareth do Rosário, Yola Araújo, João Alexandre, Army Squad, entre tantos outros músicos do mercado angolano e não só…

Em 1999 começou por fazer piano bar (música ao vivo) em vários pontos turísticos e noturnos, onde foi ganhando experiência através do contacto com  outros músicos  locais e estrangeiros. Neste mesmo ano foi convidada a tornar-se membro integrante de uma banda recém-formada, denominada Miami Voices, grupo este que pertencia a um dos mais conceituados restaurantes de Luanda situado na Ilha da Cabo, um dos pontos turísticos mais referenciados em Angola (Miami Beach). Por razões pessoais esta banda acabou por desfazer-se  em 2001, deixando Nazarina mais uma vez a pensar numa carreira a solo.

Neste mesmo ano trabalhou para as trilhas sonoras de séries e novelas da nossa televisão, sendo algumas das suas composições musicalizadas escolhidas para personagens da telenovela de produção nacional “Revira-volta” e foi também autora do tema principal da série “Vidas Ocultas”. Enquanto esperava pela sua oportunidade, juntou-se à cantora Djamila D’Elves que também estava na mesma situação profissional.

Em 2002 foi contratada para fazer jingles para a cadeia televisiva e radiofónica de Angola, no entanto continuava na senda das participações em trabalhos musicais.

Em finais de 2003 ausentou-se do mundo artístico para dar oportunidade à sua vida pessoal, vindo a contrair matrimónio e de seguida decidiu abriu as portas à maternidade.

Finalmente, 2005 viria a tornar-se no ano da concretização dos seus objetivos, uma vez que conseguiu apoios para a gravação do seu primeiro e almejado álbum discográfico, intitulado  “Alguém como tu”, gravado em Luanda, Lisboa e Paris. Neste álbum contou com a produção dos músicos e arranjistas: Calo Pascoal, Ciro Cruz, Simmons Massini, Manu E., Helvio, Djipson e Ciro Bertini; por sua vez, já nos coros contou com Eunice Jose (Afrikanita) e Samantha.

https://youtu.be/8QMHEZuEynk

Entrevista em EXCLUSIVO para ouvir no programa TugaMix: -TDA (Quarta 30 de Setembro ás 16H e Domingo 4 de Outubro ás 20H)

1 0
100 %
Contente
0 %
Triste
0 %
Radiante
0 %
Zangado
0 %
Surpreso
Publicação Seguinte

Pela Liberdade e pela Democracia – chega do Chega!

Pela Liberdade e pela Democracia – chega do Chega! Ultimamente tem-se falado bastante do partido Chega e do seu líder André Ventura, bem como das apregoadas intenções de voto, e diversos cidadãos, alguns indiscutivelmente democratas, vêm manifestando crescente espanto e até inquietação por tal questão e por aquilo que ela […]
%d bloggers like this: