Narayana inclui os êxitos, “Antinomia” e “Bad Girl”

Luís Fernando Carvalho
Tempo de Leitura1 Minuto, 37 Segundos
Narayana inclui os êxitos, “Antinomia” e “Bad Girl”

Diana Narysnhenko

nasceu a 25 de Dezembro de 1993 em Thernopyl, Ucrânia. Desde criança que ambicionava ser artista influenciando-se em músicos de renome.

Andou no Ballet e frequentou uma escola de música, na qual teve formação e, onde também aprendeu a tocar piano e bandura, um instrumento tradicional da Ucrânia.

Em 2007 viaja para Portugal para a cidade de Leiria, onde realizou o curso profissional de Técnica de Gestão. Diana participou em diversos castings de moda, em concursos musicais que revolucionaram a sua vida e deram início à sua carreira musical, tais como, “OGAI – Portugal Sound Contest” onde ganhou o 1º lugar de “Melhor Música”, ou o 2º lugar no concurso de jovens cantores CHANCE, na Dinamarca, onde representa Portugal.

Ao conhecer o poeta e compositor Olexander Yvasiuk num dos concertos locais que deu, eis que Diana se torna Narayana, projeto homónimo que estreia o single, “Antinomia “ao público português.

Um sucesso garantido, que promete novos temas e qualidade, enfrentando no seu quotidiano, as dificuldades inerentes a uma área sempre difícil.

Narayana assume-se como artista musical que continua a sonhar e a viver para a música.

E finalmente no ano de 2020, a cantora edita o 1º álbum de originais, “OGMA”. Um projeto muito esperado por Narayana que inclui os êxitos, “Antinomia” e “Bad Girl”.

Uma caminhada no panorama musical que enriquece a cantora, mas também o mercado mundial com beleza, voz poderosa e dedicação em temas que passam do Pop/Rock ao eletrónico!

Entrevista em EXCLUSIVO para ouvir no programa TugaMix da Telefonia da Amadora. Quarta 13 Janeiro 16H e Domingo 17 Janeiro 20H- PART 1
Quarta 20 Janeiro 16H e Domingo 24 Janeiro 20H)-PART 2
Assina o Canal é Gratuito
2 0
100 %
Contente
0 %
Triste
0 %
Radiante
0 %
Zangado
0 %
Surpreso
Publicação Seguinte

Vírus e relações tóxicas

Vírus e relações tóxicas Esta é a clássica crónica sobre o clássico incendiário que pegou fogo, saiu de cena vestiu-se de bombeiro e diz aos companheiros de incêndio que veio ajudar a apagar o fogo. Enfrentámos um vírus perigoso, fatal e predador, agora enfrentamos o vírus da extrema direita (o […]
%d bloggers like this: