Desabafos Futebolísticos

Publicado por em 11 Janeiro 2019

Desde que o C.F Os Belenenses foi jogar para o Estádio do Jamor, subitamente, nasceu um interesse generalizado, no mínimo invulgar, sobre este clube do qual sou sócio há mais de 10 anos.

A comunicação social e a sociedade civil, ao longo de décadas, nunca deram a relevância merecida a esta (quase) centenária instituição, deixando-a sempre para segundo plano, como, aliás, o faz com todas as equipas fora dos três grandes. Então, e para meu espanto, repentinamente todas as vozes se levantaram para dizer que o Belenenses SAD não é o “verdadeiro” Belenenses.

Primeiro ponto, qual a legitimidade destes “arautos da verdade” em definir o que é, ou não é, o verdadeiro Belenenses, quando, e ao longo décadas, sempre demonstraram uma falta de conhecimento e interesse pela história do clube/instituição. Dizem que a Codecity, empresa que adquiriu a gestão do futebol profissional do clube quando este se encontrava a um passo da insolvência, veio retirar a identidade ao Belenenses. Então, e partindo desta linha de pensamento, podemos admitir que a generalização das SAD´s, enquanto organizações gestoras do futebol profissional, vieram retirar a identidade a grande parte dos clubes portugueses. Mas afinal, não é hoje em dia o futebol um negócio? Até podemos ir mais longe.É nos campeonatos de futebol estrangeiros, onde a vertente comercial do desporto é mais explorada e rentável, que é apresentado um melhor, e mais saudável, espectáculo futebolístico, dentro e fora das quatro linhas.

Entendo perfeitamente que ter um clube na primeira divisão como o Belenenses, actualmente sexto classificado da Liga Nos, e que até, de vez em quando, rouba pontos aos três grandes, represente um incómodo para algumas pessoas. Eu, enquanto adepto de futebol, entendo perfeitamente que seja mais fácil e natural simpatizar com um clube do sexto escalão do futebol português. Mas por favor, mantenham a coerência e não entrem em devaneios, como quais “Capitães de Abril do futebol”. Penso ser óbvio e do conhecimento geral que os valores democráticos, tradicionalmente ligados ao associativismo, já não reinam há décadas no futebol português, achando até desnecessário apontar exemplos. E por outro lado, as actuais exigências financeiras do futebol profissional não se coadunam com gestões amadoras, como as que quase sentenciaram o desaparecimento do Belenenses há uns anos atrás.

Contudo, o comportamento mais hipócrita e desonesto vem dos jornais desportivos, televisões e rádios que tomam as dores do futebol “democrático”,”puro” e “amador”, bandeiras da direcção do C.F. Belenenses, sendo eles próprios parte integrante e beneficiária da indústria do “futebol negócio”.

Há uns dias, Pedro Marques Lopes, jornalista e comentarista, referiu-se ao Belenenses como: A Codecity. Justificou a escolha do nome declarando que não conseguia chamar Belenenses àquela equipa porque, segundo o próprio, não eram portadores do património histórico do Belenenses. Isto não faz qualquer sentido, pois, aquela equipa, apelidada de Codecity, é a equipa que vem no seguimento da linha histórica e temporal da primeira equipa de futebol da história do C.F Os Belenenses. Para mim, uma equipa “descontinuada”, sem qualquer ligação com a equipa das épocas anteriores e que disputa a sexta divisão do campeonato português, não representa o património histórico do Belenenses, não fazendo jus à sua história, nem ao seu palmarés.

Pedro Castro Gomes

A publicação Desabafos Futebolísticos é um original Notícias Online.

Redacção Noticias Online

Com as etiquetas

Opiniões dos leitores

Continue a ler

Publicação seguinte

Nivel do indice UV alto


Publicação anterior

Meteorologia para hoje


Toca agora

Título

Artista/Autor

Background
%d bloggers like this:
Telefonia da Amadora

GRÁTIS
BAIXAR