Criminalidade desce no concelho da Amadora

Hoje, 20 de maio, realizou-se nos Recreios da Amadora a 1.ª Reunião do Conselho Municipal de Segurança, que contou com a presença de Carla Tavares, Presidente da Câmara Municipal da Amadora, que orientou os trabalhos, de António Ramos Preto, Presidente da Assembleia Municipal da Amadora, de Paulo Ornelas Flor, Comandante da Divisão da PSP da Amadora, e dos restantes conselheiros.

No âmbito da divulgação recente do Relatório Anual de Segurança Interna 2020, o Intendente Paulo Ornelas Flor apresentou dados sobre a evolução da criminalidade no município, realçando que a “Amadora não é um concelho que lidera, na Área Metropolitana de Lisboa (AML), a criminalidade”.
Aliás, com base na comparação entre os dados de 2017 e 2020 dos municípios que compõem a AML, a Amadora passou de 4.º para 9.º concelho com mais incidência de crimes, traduzindo uma diminuição de 25% na criminalidade denunciada.
O Intendente frisou a relevância destes dados, que acompanham a descida do Índice Criminal por 1000 habitantes na Amadora, que passou de 41,3 crimes em 2013 para 27,2 crimes em 2020.

No decurso da reunião, a Presidente da Câmara Municipal da Amadora foi perentória, afirmando que “não vivemos numa cidade a saque”, apesar de reconhecer os desafios que o município enfrenta.
A autarca destacou ainda os crimes associados à violência doméstica, área que tem mobilizado, nos últimos anos os vários atores municipais, na procura das melhores respostas para as vítimas.
“A prevenção é essencial”, apontou Carla Tavares, que realçou ainda duas áreas de intervenção da PSP na Amadora: a Escola Segura e o Policiamento de Proximidade. O primeiro, pelo “papel que tem tido na comunidade educativa, um trabalho que pode não ser visível, mas que é fundamental para as Escolas”. O Policiamento de Proximidade, pelo efeito “tranquilizador” e pela importância que tem, fundamentalmente para os seniores amadorenses.
A reunião não acabou sem a edil falar sobre a videoproteção no território. “É mais uma ferramenta para as equipas de segurança e julgamos que a cidade vive bem com este sistema”, disse, adiantando que se está atualmente a trabalhar na fase do lançamento do projeto para, previsivelmente em meados do ano, ser lançado o concurso para reforço das câmaras de videoproteção no município.

Veja aqui o artigo original