O Grito

Grito por ti e por mim.

O meu coração grita por nós.

Mesmo que tu não o ouças ele está a gritar por ti, sim

como ele grita e chora por ti a sós.

O meu coração grita neste silêncio ensurdecedor

onde tu o colocaste, onde nós o colocámos,

no alto e merecedor

de tudo o que sonhámos.

Mas também ele amarrado

na mentira e no despeito,

na desgraça aterrado

e perdido no sinuoso desajeito.

O meu coração grita por nós,

esquecido no parapeito

ferido e sem voz

despegado do teu peito.

O meu coração grita por nós,

desfeito no embaraço

do leito, atroz

No vazio do meu regaço.

Ouve-o!

Ouve como ele grita por ti e por mim,

pelo que fomos 

e já não somos!

Ouve como o meu coração grita por nós!

Por aquilo que não me deste,

por tudo o que me quiseste!

Ouves?

Ouves como ele grita e chora por ti?

Abraçado a si próprio

Longe da razão

Que não mais lhe dará a mão.

Ouve o seu grito em agonia

Afinal, sou eu quem clama

cansada de toda esta triste sinfonia.

Agarrada ao coração que grita

Estou pela memória contorcida

Nesta dor maldita!

Nota: Pintura “O Grito” de Edvard Munch.